sexta-feira, 5 de abril de 2013

Os Tates

Existem quatro Tates Museums. Dois deles estão em Londres. Eles não ficam pertinho um do outro*. Não são parecidos. Mas ambos são grátis.

Henry Tate foi um milionário inglês, que fez fortuna produzindo e comercializando açúcar. Um doce de pessoa! De verdade, xente! Ele curtia filantropia, fazia todos os tipos de doações, muitas delas anônimas. E foi daí que o primeiro Tate surgiu.



O primeiro Tate, o Britain, foi inaugurado em 1897, pra fins de expôr obras de artistas contemporâneos que a National Gallery dispensava, tipo Gainsborough, Turner (que desenhava nuvenzinha colorida como ninguém) e os Pré-Rafaelitas. Nessa época, ele, o museu ainda não era Tate. Era National Gallery of British Art. Só virou Tate mais tarde, em homenagem ao sugar daddy (no bom sentido).

O Tate Modern foi inaugurado em 2000, e seu edifício, que está ganhando puxadinho, aproveita uma antiga central elétrica. Industrial nível máximo! Os acervos e exposições são sobre arte moderna... que eu não curto! Abomino! Muito provavelmente poque não entendo. Não entendo o que tem de tão transcendental em "dois tijolos empilhados" ou num " pontinho vermelho numa tela verde" (a não ser que seja uma ervilha prendendo a respiração... hihihihihi). Acho mais graça nos Teletubies. Até nos Teletubies!


Vista de dentro do Tate Modern. 

Enfim, destaco dois quadros lindos de morrer no Tate Britain (óbvio, onde mais?).
1."Ellen Terry as Lady Macbeth": É mermo esse o nome. Retrata essa atriz atuando nessa peça. Retrata a atriz, mas queria mesmo era exibir o vestido, todo brilhante e exótico enfeitado com asas de besouro verde (o inseto, não o super herói). Asas de besouro! Que seda é pros fracos! Como explicou a Timeout, "Londres é Beetlemaniaca de raiz".
2. "Ophelia": Quando eu era pequena (quiança, quero dizer ¬¬), e já era nerd, passava tardes folheando os livros de artes do meu avô, e sempre parava na página da Ophelia. Me impressionava aquela moça afundando no lago, sem expressão, cara de zumbi (I've became so numb). Eu, alma de CSI, imaginava que era cena de crime. E não era, mas podia ter sido. Acontece que uma mulher real pousou para a realização do quadro, boiando numa banheira, numa época em que não saía água quente da torneira. Em Londres. No inverno. Realizou? Resultou numa pneumonia quase fatal, e os pais da moça processaram o pintor. O pintor era Millais, e a modelo era Lizzie Sidal, musa mór da Irmandade Pré-Raphaelita. Por fim, ela casou com um dos membros da irmandade, e se tornou artista também. Por fim, por fim mesmo, ela se matou com overdose de laudanum, a cocaine da época.

Ophelia

*Os museus não são pertinho um do outro, mas tem um barco, o Tate Boat que faz linha direta entre eles.

2 comentários:

  1. Oi Thais,
    Gosto de arte moderna. Gosto de arte de um modo geral. Minha mãe não, ela gosta dos Teletubies!
    Realmente, Ophelia impressiona e angustia.
    E novamente a minha expressão favorita: entrada grátis. Amo!
    Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahah! Eu e sua mãe, super combinamos!!!

      Excluir